terça-feira, 24 de janeiro de 2017

VASTA CABELEIRA

Meu  aterro
Meu  desterro ...
Teu  tempero
Terra  e  chão ...


Vasta  tua  cabeleira
Que  corre  e  se  derrama  nesse  piso
Se  espelhando  feito  riso
Em  pleno  chão  de  verão


Vasta  tua  cabeleira
Onde  bocas  adormecidas  acordam
E  faz  beber  da  terra
O  suco  que  te  revigora


Feito  Sequoia
Embelezas  meu  mundo
Entranhadas  tuas  raízes
Que  te  deixas  sã


Vasta  tua  cabeleira
Que  serpenteias  no  chão
Transformando  terra  em  suco
Fazendo  da  terra  teu  pão


Ant.  Pernambuco

MAI,  2014 

Um comentário:

  1. Um tema muito bem construído, onde poucos vêm poesia
    Só aplausos

    ResponderExcluir